sábado, 21 de junho de 2008

Khem e os Gatos



Os GATOS E KHEM No antigo Egito, o gato era venerado como um deus, encarnado na cabeça de Bastet. Deusa da caça, da boa saúde, da fertilidade, do amor, da alegria, da dança e da luz; filha do Deus Sol. Representada com a cabeça de felino e corpo de mulher, trazia numa das mãos um sistro, instrumento de percussão usado pelas bailarinas, e, na outra, a cabeça da deusa leoa Sekhmet. Esta era, na verdade, a sua contraparte: quando Bastet se enfurecia transformava-se na terrível Sekhmet uma leoa que punha fogo pela garganta. Passada da
cólera metamorfoseava-se novamente em gata, reassumindo sua docilidade. Bastet era sempre representada com uma ninhada de gatinhos a seus pés para simbolizar a fertilidade. Não é sem razão que os egípcios deram a Bastet, o aspecto de gata. Pois é um animal notável de resistência, de saúde e fertilidade. Bastet significa "a-de-Bast" era a cidade onde se situava o principal templo dedicado aos gatos e para onde, todas as Primaveras, convergiam mais de 500 mil pessoas para assistirem ao festival sagrado. Cerca de 100 mil gatos mumificados eram enterrados em cada festival, em honra da felina "virgem-deusa" (a qual foi presumidamente segundo alguns sectários, a precursora da Virgem Maria). Os festivais de Bastet eram conhecidos como os mais populares e desejados em todo o antigo Egito, como um sucesso, talvez não totalmente alheio ao fato de incluir selvagens celebridades orgíacas e "frenéticos rituais". O culto do gato era tão popular que subsistiu durante perto de 2000 anos. Os gatos eram enfeitados com jóias e perfumados com as mais finas essências. Foram os egípcios, alias, que os domesticaram há 5.000 anos, quando capturavam gatos selvagens no norte da áfrica e os usavam para proteger suas mercadorias da invasão de ratos nos celeiros. Tinha uma cidade inteiramente sua e também um cemitério particular. (No inicio do século foi descoberto pelos arqueologistas, um fabuloso cemitério perto de Beni Hassan, onde repousavam há milênios 300.000 gatos embalsamados e mumificados, nas tumbas subterrâneos). Após a morte, os gatos egípcios eram embalsamados com todo o cerimonial, com os corpos envolvidos por faixas coloridas e o focinho coberto por mascaras esculpidas em madeira. Alguns eram colocados em esquifes de madeira com a forma de um gato, enquanto outros eram metidos em cestos de vime. Os bichanos eram mumificados e enterrados, acompanhados de ratinhos também mumificados, que lhes deveriam servir de
alimentos no outro mundo. Quem matasse um gato no Egito era punido severamente e os donos vestiam luto, assim como também raspavam as sobrancelhas em sinal de luto. Para se ter uma idéia do prestigio dos gatos naquela época, basta lembrar que o historiador grego Heródoto (cerca de 484 a.C. - 425 a.C.), considerado o pai da História, afirma num de seus relatos que, quando havia um incêndio numa casa egípcia, seus habitantes preocupavam-se "menos com o fogo e mais com os gatos". Num incêndio a prioridade era salvar os gatos mesmo que para isso os egípcios tivessem que arriscar a própria vida. A adoração dos egípcios aos gatos custou-lhes uma amarga derrota militar. O rei persa Cambesis tomou tranqüilamente Mênfis, a cidade sagrada dos faraós, amarrando mil gatos aos escudos de seus guerreiros. Claro que nenhum soldado do exército egípcio ousou erguer a arma contra os seus felinos senhores, que, aliás, foram mortos logo depois da vitória de Cambesis. Dois anos mais tarde Cambesis morria, vitima de uma doença misteriosa. Vingança dos gatos? Nem todo o gato era considerado um deus, mas havia uma forma na quais algumas das suas divindades podiam ser personalizadas. Era na forma de um gato que o grande deus sol Ra venceu Apep, a serpente da escuridão. Desenhos delicados de papiro mostram-no lutando contra o golpe da morte, com um punhal, uma vitória que tinha de ser repetida todo dia, pois o Sol e a Escuridão são imortais. A palavra egípcia que descrevia o gato era Mau, derivada da voz do gato. Uma outra divindade que matava a cobra era a deusa Mafdet, apresentada na forma de gatos nas gravuras esculpidas na parede da pirâmide da quinta e sexta dinastias, estimado anteriormente em 2.280 a.C. como protetor do faraó. Amuletos de gato e cabeça
de gato persistiram até quase os dias atuais. Embora fosse proibido tirar os gatos da terra dos faraós, a incansável destreza na perseguição aos ratos fazia deles convidados indispensáveis dos navegantes em suas viagens para afugentar os ratos dos navios. E logo começaram a surgir gatos na Grécia, em Roma... Na Grécia clássica, o gato foi associado à feminilidade, ao amor e ao prazer sexual, atributos de Afrodite. Também foi associado à Artemis, a deusa da caça e da lua, da qual se dizia que teria escapado um perseguidor, Tiphon, transformada em gata. Em Roma, no Império Romano, o gato esteve ligado a várias deusas. Diana, a caçadora, governava a fecundidade e a lua, assim como Bastet, e uma lenda antiga atribui a ela a criação do gato. Também a sensual Vênus é representada como uma gata, uma encarnação de emoções maternas. Não era só nas religiões egípcias e egipto-romanas que os gatos participavam. Os chineses tinham um deus da agricultura em forma de gato, alias eles possuíam estatuetas de gatos para afastar os maus espíritos; os peruanos tinham um deus felino da cópula, e os irlandeses, um deus com a cabeça de gato. Eles também estavam relacionados com duas deusas nórdicas. Os Hindus transformaram-no igualmente num animal sagrado. Os gatos atravessaram o Oriente, e foram se instalar, pouco antes da Idade Média, no coração da Europa. No princípio, foi muito bem recebido. Na época existia uma ordem real, que proibindo aos habitantes de Gales, na Bretanha, a posse de animais, à exceção do gato. Os ingleses, claro depois dos egípcios são os que mais se apaixonaram pelos gatos, vale citar que a primeira exposição de raças de gatos, aconteceu na Inglaterra, bem como o primeiro clube fundado. Adoradores confessos dos gatos até os dias atuais, podem-se encontrar-se em Londres imponentes estatuetas de gatos, que são verdadeiros monumentos. Na França do século XVI, o cavaleiro que quisesse conquistar uma dama, em vez de flores, lhe oferecia um gato. Alias, no sul da França, existia a lenda dos gatos mágicos chamados matagots, que traziam fortuna e sorte a quem os acolhia e amava. Na Rússia os gatos também eram estimados, onde era comum serem encontrados vários deles nos mosteiros e conventos. O Japão não ficou imune aos seus encantos. Os gatos chegaram ao país do sol-nascente ao mesmo tempo em que o budismo. Residiam nos templos para protegerem dos ratos os manuscritos sagrados. Séculos depois, no reinado do imperado Jedi-jô, no décimo dia da quinta lua, uma gata branca pariu três gatinhos da mesma cor, no palácio imperial de
Quioto. Maravilhado pelo espetáculo, o imperador ordenou que fossem tratados e adulados como crianças reais. O povo inteiro começou então imitar o soberano. Os gatos passaram a ser cuidados com todos os desvelos, amimados e passeavam a trela pelos jardins. De tal forma, esqueceram de caçar os ratos destruidores dos bichos de seda. Os Japoneses recorreram então ao ersatz: desenharam figuras de gatos nas portas das casas e fabricaram efígies do animal de madeira ou de porcelana, antes de restituir à liberdade de todos os gatos. Os comerciantes japoneses costumavam ter um gato em seus navios porque, segundo acreditavam lhes trazia boa sorte e lhes protegia dos maus espíritos do oceano, responsáveis pela tempestade e pelo naufrágio. Uma estatueta com a forma do gato era considerada como um poderoso amuleto. O gato tornou-se um animal de estimação das casas nobres e das cortes. Meio século mais tarde, os japoneses começaram, porém a ter medo os gatos, que consideravam como espíritos malignos ou demônios, e essas crenças refletiram se no tratamento dado aos animais. Uma crença tradicional muito antiga, que radicava no antepassado dos japoneses Ainus começou subitamente a ser levada a sério, e os japoneses passaram a cortar a cauda aos seus gatos, pois temiam que pudessem transformar-se em serpente quando os gatos assim o desejassem. Do século XIV em diante, quase todos os gatos representados em desenhos japoneses são desprovidos de cauda. (Os gatos sem cauda dos nossos dias são, porém resultado de uma mutação acidental e não gatos a que se tenha cortado a cauda). No Japão, os gatos continuam a ter o seu templo privativo em Tóquio. O Bobtais Japonês é uma raça de gato conhecida no Japão há muitos séculos. O Templo Gotokuji, em Tóquio, é decorado com várias fileiras superpostas de pinturas que representam um desses gatos, chamado Maneki-Neko. Cada pintura mostra-o com pata levantada num gesto de saudação, que se tem tornado um símbolo de boa sorte. Essa raça distinta aparece também em numerosos escritos e pinturas de grande fama na arte japonesa. O Templo Gotokuji, está rodeado por um cemitério com campas cobertas de inscrições, onde se exprimem votos para que os gatos defuntos aí enterrados em breve atinjam o nirvana (paraíso). Tornaram-no como tema em inúmeros quadros e esculturas. Na Idade Média, os gatos foram apontados como um símbolo das religiões pagãs e associado ás bruxas e demônios. E o gato que até então já era vedete dos rituais das magas atalógicas e madames mins da época, perseguido pela Igreja, não escapou da Inquisição . O papa Inocêncio VII, no final do século XV, mandou que todos os bruxos fossem queimados junto com seus gatos, cúmplices de suas feitiçarias. Muitos foram queimados em praça pública pelos romanos, que os consideravam agourentos. A perseguição por parte dos cristãos se deve por causa da mitologia egípcia, os gatos estavam então muito associados ao paganismo. Havia uma tendência no cristianismo de renegar tudo o que era cultuado nas civilizações mais antigas. Milhares de gatos e de seres humanos foram torturados e mortos. Um ato bárbaro de crueldade e ignorância. A perseguição cristã contra os gatos permitiu um crescimento incontrolado da população de ratos e contribuiu para a virulência das pestes disseminadas pelos ratos. Desde os tempos remotos, atravessando séculos e civilizações, principalmente no Egito o gato sempre foi considerado um animal sagrado, sua figura é usada como talismã, ligado às divindades lunares, o gato favorece a harmonia matrimonial e a felicidade doméstica. Vale citar que Estocolmo, quando um gato perdido é assinalado no Comissariado, logo o centro da especialidade envia um grupo de socorro. Em Istambul, os gatos são donos e senhores das ruas e amigos discretos, mas afetuosos dos marinheiros e dos lojistas da cidade. Os motoristas de táxi preferem bater num poste a atropelar um gato. O gato chegou ao Brasil nas caravelas portuguesas, na bagagem, trazia da Europa todas as lendas e superstições que tornaram célebre. Aqui adorado, mas também detestado e mesmo amaldiçoado. No jogo do bicho, é o número 14, serve tanto ao pavão, quanto à elite, além de ser um símbolo de azar, para alguns é claro... Acredita-se que o gato preto seja o mais maléfico, a quem diga que tenha parte com o Diabo, e ao andar na rua se o seu caminho é cruzado por um gato preto, logo se benze, para afastar o azar. (Curiosamente, na Inglaterra é o oposto gato preto lá é sinal de sorte). Há quem pense o contrário e quando não tem um exemplar vivo, tem em sua casa uma estatueta de gato preto, acreditando estar afastando o azar. Existem muitas superstições... Dizem que um gato quando vai embora de casa, seu dono não deve tentar impedi-lo, pois ele esta indo embora para levar todas as coisas ruins daquela casa. Também se acredita que quem bate num gato sofrerá de reumatismo. Durante séculos, no mundo inteiro os gatos conseguiram sobreviver ao fogo e a água (milhares foram mortos nas fogueiras e nos rios). Mas apesar da perseguição, sobreviveu perpetuado a espécie. Talvez por este motivo se diga que os gatos têm sete, ou nove vidas. Não há sem sombra de dúvida nenhum animal tão martirizado em todos os tempos. Nos tempos modernos continuam envoltos em lendas, crendices e preconceitos. Embora descendentes de protagonistas de uma história de amor e ódio tenha hoje mais aliados, que inimigos. Os celtas acreditavam que os gatos conviviam com os elementais, fazendo um elo entre o mundo invisível e o nosso. Através dos olhos felinos, como janelas, os homens conheciam o mundo mágico. Do outro lado, os elementais saberiam de nós da mesma forma. Matéria recorrente nos comix e em especial nas histórias de Neil Gaiman, a crença
nos Deuses seria o sopro que os mantém eternos. Se for verdade, BAST continua tão viva agora como há 5OOO anos atrás. Há igrejas modernas dedicadas ao culto dos antigos deuses de Kemet, onde a Deusa Gata é rainha.

Carlinhos Lima – Astrólogo, Tarólogo e Pesquisador.

Nenhum comentário:

Você vai gostar de ler

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Livro de Umbanda Astrológica

Livro de Umbanda Astrológica
Compre seu livro

Marcadores

comportamento (118) sexo (110) magia (100) conceito (92) astrologia (91) mulher (79) espiritualidade (71) amor (60) pesquisas umbanda astrologica (59) carlinhos pesquisas (58) conceitos (56) (45) religião (43) carlinhos pesquisas do taro (40) orixás (39) umbanda-astrologica (39) Agressividade e Sexo (38) novos conceitos astrologicos (36) de olho no movimento dos astros (35) tarô (35) A astrologia (34) astrologia sexual e relacionamentos (34) umbanda (33) esoterismo (32) pesquisas (30) sexualidade (29) astros e a politica (24) pesquisa (24) prazer (24) estudos (23) a umbanda-astrologica (22) arcanos (22) orgasmo (22) climazzen (21) magia sexual (21) anjos (20) signos (20) A Sexualidade Feminina e Masculina influenciadas (19) carma (17) mulheres (17) Ranascimento (16) estudo (16) bem estar (15) espaço (15) gostosa (15) saúde (15) rituais (14) umbanda astrológica (14) astrologia e cabala (13) Orixá (12) astrofisica (12) astronomia (12) biblia (12) poder (12) Conceitos astrologicos (11) Sexualidade Feminina (11) astral (11) espiritualidade fé (11) mediunidade (11) desejo (10) lua (10) marte (10) previsões (10) Deus (9) Influencias (9) atriz (9) baralho (9) cabala (9) ciência (9) exu (9) umbanda astrologica (9) virgindade (9) AMOR. comportamento (8) CONQUISTA (8) arcanjos (8) candomblé (8) deusa (8) magos (8) misterios (8) nua (8) o que fala sobre espiritismo e astrologia. (8) sexualidade Masculina (8) signo (8) A origem da Astrologia (7) Pombagira (7) anjo (7) homens (7) livro (7) simbolismo (7) Agressividade (6) VIDA (6) arcano (6) astrologia sexual (6) captar energias (6) conhecimentos (6) destino (6) estrela (6) magia negra (6) oxum (6) pombagiras (6) reencarnação (6) riqueza (6) sensualidade (6) sol (6) tantrismo (6) Harry Potter (5) ancestrais (5) astrofísica (5) carma sexual (5) cartas (5) cosmos (5) desejos (5) elementos (5) hierarquia (5) homem (5) mago (5) moda (5) nasa (5) obsessão (5) orixas (5) parteas do horoscopo (5) pelada (5) planeta (5) poder dos astros (5) proteção (5) psicologia (5) relações (5) segredos (5) sensual (5) tarologia (5) Jovem (4) Topless (4) Vesta (4) artista (4) baralho cigano (4) busca (4) casamento (4) castidade (4) descoberta (4) espiritismo (4) exus (4) fim do mundo (4) fotos (4) galáxia (4) gozo (4) leitura (4) magia sagrada (4) mapa astral (4) mito (4) paixão (4) pecado (4) pedras (4) planetas (4) protetor (4) protetores (4) sentimento (4) sorte (4) taro (4) traição (4) vibrações (4) vênus (4) 2010 (3) 2012 (3) ESCOLHAS (3) Feminina (3) Horóscopo (3) Loira (3) MORTE (3) Masculina (3) adultério (3) alfabeto (3) alfabeto magico (3) antigos mestres (3) arte (3) astrologia signos (3) bruxaria (3) buda (3) budismo (3) ciúme (3) conheça (3) dieta (3) drogas (3) ensaio (3) feitiço (3) filme (3) guia (3) guias (3) harmonia (3) horoscopo (3) influenciadas (3) kama sutra (3) lilith (3) lingerie (3) maior (3) maçonaria (3) metodos (3) misticismo (3) mistérios (3) mostra (3) natureza (3) oração (3) oráculos (3) peitinhos (3) poder do amor (3) quimbanda (3) religiões (3) sagrado (3) seios (3) sexo tântrico (3) sexy (3) simbolos (3) sinais (3) solsticios (3) ultima ceia (3) universo (3) 12 casas (2) Arca da Aliança (2) As caracteristicas de seu signo (2) Busca de Harmonia (2) Búzios (2) ESPIRITUAL (2) Fenômenos (2) Jesus (2) PROFECIA (2) Saúde Sexual (2) Touro (2) Transitos. (2) Vanessa Hudgens (2) alegria (2) alfabeto sagrado (2) alimentos (2) alma (2) alma gemea (2) ancestral (2) anjo da guarda (2) anuncie (2) anuncio (2) arcano 6 (2) arqueômetro (2) ascendente (2) astrologia e riqueza (2) atração (2) bahia (2) beleza (2) biquíni (2) bumbum (2) buscadores (2) calendário maia (2) carnaval (2) casais (2) casas de umbanda (2) ciganos (2) ciume (2) combinando (2) conhecimento (2) corpo (2) criança (2) cristal (2) códigos sagrados (2) demônio (2) deuses (2) doença (2) dom (2) dons (2) dor (2) duvidas (2) e-mails (2) egito (2) enamorados (2) ensinamentos (2) era de aquário (2) erotismo (2) escorpião (2) especialistas (2) estrelas (2) faz (2) feminino (2) fim dos tempos (2) futuro (2) golias (2) iemanjá (2) incensos (2) libra (2) lojas esotericas (2) manter (2) mantras (2) marketin (2) mecanismos (2) medo (2) mensageiros (2) mitologia (2) municipio (2) nodulos lunares (2) nova era (2) numerologia (2) o jogo de búzios (2) o sol astrologico (2) ogum (2) olho (2) origem do taro (2) origem do universo (2) oráculo (2) oxalá (2) panicat (2) pedofilia (2) pequisas (2) perfumes (2) perguntas (2) pesuisas (2) planetas retrogrados (2) pode (2) poder feminino (2) preconceito (2) previsão (2) produtos esotericos (2) publicidade (2) quiromancia (2) raiz (2) regente do ano (2) religiao (2) ritos (2) salmo (2) santa sara (2) segredo (2) ser (2) sinastria (2) sofrimento (2) tatuagem (2) valor (2) virgem (2) vodu (2) wica (2) : Metal lendário (1) Alimentação (1) Análises (1) Astrologia Cármica (1) CARNAVAL DE VIRGENS (1) Ego (1) Islã (1) Joana Machado (1) Magnetismo Pessoal (1) Malibu (1) PARA AFASTAR (1) Problemas na cama (1) Rio de Janeiro (1) Tamires Pereira Santiago (1) Victorias Secret (1) agradece (1) alinhamento (1) ciência sagrada (1) céu vermelho (1) código da vinci (1) dons naturais (1) efeito (1) fe´ (1) grande tremor (1) jessica gomes (1) juno (1) linhas ciganas (1) linhas de ciganos (1) liquidificador (1) lista (1) macumba (1) mae de santo (1) magia divina (1) mais (1) mandala astrológica (1) matéria (1) meditação (1) medium (1) pilares (1) pintor (1) poder dos alimentos (1) prevenir (1) previu (1) pupila (1) registra (1) rei davi (1) rei do pano branco (1) reich (1) relação (1) relgião (1) segredos femininos (1) sentimentos (1) tatuagens (1)